SARAU do Beco é um evento cultural ou musical …

Um sarau (do latim sera nus, através do galego serão) é um evento cultural ou musical realizado geralmente em bibliotecas ou em casas particulares onde as pessoas se encontram para se expressar ou se manifestar artisticamente.

Um sarau pode envolver dança, poesia, leitura de livros, música acústica e também outras formas de arte como pintura,teatro e comidas típicas. Evento bastante comum no século XIX que vem sendo redescoberto por seu caráter de inovação, descontração e satisfação.
O sarau consiste em uma reunião festiva que ocorre de manhã, à tarde ou no início da noite , apresentando concertos musicais, serestas, cantos e apresentações solo, demonstrações, interpretações ou performances artísticas e literárias- também lançamentos de livros solos ou antologias (livro de poemas, poesias ou contos escrito por vários poetas de SP e região)
Atualmente, algumas escolas, bibliotecas e faculdades promovem saraus para estimular o desenvolvimento cultural de seus alunos. Bem como grupos e associações artísticas e culturais.
Hoje em dia, o termo virou uma denominação geral de encontros lítera-artísticos, que podem acontecer também durante a noite, ou em qualquer horário, em lugares fechados ou abertos, com diversas manifestações culturais, inclusive com instrumentos eletro-eletrônicos e equipamentos digitais, mantendo sempre a característica de confraternização. Sarau do Beco também tem o famoso Varal de Poesias, onde você escreve seu poema na hora e coloca no varal, após o sarau a Equipe Beco dos Poetas analisa, e se o seu poema e se for aprovado, ganha uma publicação da obra de forma gratuita e um exemplar  de seu poema publicado – numa antologia junto com os melhores Poetas de SP e região. Já foi publicado mais de 10 autores pela primeira vez no sarau do Beco.
 Sarau Matinal Beco dos Poetas  acontece ao final de cada mês há dois anos na biblioteca Maria Clara Machado no CEU Caminho do Mar e eventualmente no Teatro no mesmo espaço apresentado por Maria Jeremias dos Santos e coordenado por Marcio Marcelo do Nascimento Sena contando com a presença de inúmeros Poetas da Cidade de São Paulo e Região e outros Estados todo o contato e divulgação é feito através da rede social literária www.becodospoetas.com.br espaço que conta com milhares de poetas colaboradores e da rede social literária www.mapadapoesia.com.br ambas pertencente ao Grupo Editorial Beco dos Poetas & Escritores Ltda. editora que elabora antologias dentro das redes sociais referidas de modo que a cada sarau temos não apenas o encontro de Poetas como também lançamento de nossas obras editadas que já conta a marca de 60 títulos com participação de autores Paulistas, de outros Estados .
Próximo evento será dia 29-09-2015 a partir das 10 horas e só termina quando o ultimo poeta se apresentar.
Sarau Matinal Beco dos Poetas ou Sarau do Beco na Biblioteca Maria Clara Machado
Endereço: Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira, 5241 – Vila do Encontro, São Paulo – SP
Informações- 011 5021 2233 – Jabaquara- SP
mariabonitaepoesia.com.br

Felicidade Roubada

E se de repente você perdesse a capacidade de fazer aquilo que dá sentido a sua vida? E se fosse paralisado por seus medos? Alan Alcântara é um bem-sucedido neurocirurgião, que dedica grande parte de seu tempo à medicina. Cético e pragmático, não reconhece qualquer sinal de fraqueza em si e tem dificuldade em lidar com pessoas lentas. Sua vida profissional suga toda sua energia, e, apesar de amar sua esperta filha Lucila e sua adorável esposa Claudia, mal convive com elas. Pensa que o amor é algo incondicional e não precisa de cuidado… Durante uma cirurgia, no entanto, Alan é acometido por uma crise de pânico e não é capaz de terminar o procedimento, deixando a responsabilidade para seu auxiliar. Ele pensa estar sofrendo um ataque cardíaco, e não admite o diagnóstico – transtorno psíquico. Em hipótese alguma, seu mal-estar poderia ter origem emocional. Isso é para fracos, acredita o médico. Alan verá suas certezas desmoronarem diante da doença – que irá significar, em última instância, uma oportunidade rara de ele se reconstruir como ser humano.

mariabonitaepoesia.com.br

A culpa é das estrelas


Hazel é uma paciente terminal. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante – o que lhe 

dá a promessa de viver mais alguns anos -, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. 

Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia 

aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em 

branco de suas vidas.

mariabonitaepoesia.com.br

Trilogia ‘Cinquenta Tons de Cinza

O primeiro volume da trilogia ‘Cinquenta Tons de Cinza’ narra a relação entre uma recatada estudante universitária e um enigmático empresário consumido pela necessidade de controle. Na continuação, ‘Cinquenta Tons Mais Escuros’, a jovem Ana Steele, assustada com os segredos obscuros do belo e atormentado Christian Grey, põe um ponto final no relacionamento e decide se concentrar em sua carreira. Mas o desejo por Grey domina cada pensamento de Ana e, quando ele propõe um novo acordo, ela não consegue resistir. Em ‘Cinquenta Tons de Liberdade’, Ana exige um comprometimento mais profundo de Grey. Determinado a não perdê-la, ele concorda. Agora, Ana e Christian têm tudo – amor, paixão, intimidade, riqueza e um mundo de possibilidades. Mas ela sabe que o relacionamento não será fácil, e a vida a dois reserva desafios que nenhum deles seria capaz de imaginar.

mariabonitaepoesia.com.br

Livro Cidades de Papel

O adolescente Quentin Jacobsen tem uma paixão platônica pela magnífica vizinha e colega de escola Margo Roth 

Spiegelman. Até que, certa noite, ela invade sua vida pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, 

convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras 

acaba e um novo dia se inicia, ele vai para a escola e então descobre que Margo desapareceu. No entanto, ele logo 

encontra pistas e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de 

Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava conhecer.

mariabonitaepoesia.com.br

10 lições do livro O Pequeno Príncipe

10 lições do livro O Pequeno Príncipe e de Antoine de Saint-Exupéry para o mundo dos negócios

Noções de Administração extraídos de Frases do livro O Pequeno Príncipe e do seu autor Antoine de Saint-Exupéry

“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”.
No mundo dos negócios, em especial na área comercial é imprescindível um bom relacionamento com sua base de clientes. Entender o cliente, bem como seus anseios para com o produto, vai embasar a relação comercial ou para o bem ou para o mal. A frase do livro idealiza a complexibilidade que uma venda mal feita pode gerar, ou vice versa. As empresas devem ser eternamente responsáveis pelos clientes que cativam.
2. “O verdadeiro homem mede a sua força, quando se defronta com o obstáculo”.
Ao se levar a frase acima para o campo dos negócios, podemos traçar como paralelo de empresas em época de crise. Os obstáculos são : retração econômica, competitividade, barreiras comerciais ou muito comum na área de TI obsolescência tecnológica. Um bom alicerce é fundamental para que as empresas sejam suficientemente fortes para contornar os obstáculos impostos e atingir os objetivos traçados. Mesmo que para isso seja necessário reinventar-se, como a Apple, IBM, Microsoft e Hewlett Packard e outras que transformaram os obstáculos em trampolim para novos produtos, conceitos e filosofias.
3. “É o espírito que conduz o mundo e não a inteligência”.
Não desmerecendo a inteligência, pois se não fosse ela ainda seriamos ( nós humanos ) primatas simiescos um pouco mais desenvolvidos que nossos “primos” macacos. Mas o espírito empreendedor é a alavanca que move o mundo. Haveria Microsoft se Bill Gates, não resolvesse abrir numa garagem o embrião do que hoje é a sua empresa ? Isso sem falar de Ford e de milhares de empreendedores que muito além da inteligência possuem o Espírito de Empreender, de Criar, de Lutar por soluções e por causas que muitos outros não acreditaram.
4. “Conhecer não é demonstrar nem explicar, é aceder à visão”.
O conhecimento, é hoje o principal ativo de uma corporação, não tem um valor contábil, nem pode ser explicado em relatórios, pois é intrínseco ao negócio da corporação. Por não ser algo palpável, torna-se subjetivo sua contabilização financeira, quanto vale a Google ? Seus ativos físicos são irrisórios, mas seus ativos de conhecimento valem bilhões. O quanto se perde diariamente no mundo dos negócios por sobrejulgar o cliente e o mercado ? Milhões, Bilhões, pois são raros ainda as empresas que usam o Business Inteligence para conhecer seus ativos, seus clientes e suas falhas. O conhecimento de toda a operação, dos gargalos, tendências e dos fatores internos e externos do dia-a-dia podem e são o trampolim para um salto perfeito ou para um salto numa piscina vazia.
5. “Também somos ricos das nossas misérias”
É na miséria que esta a maior riqueza do mercado, e deve-se entender a miséria como algo bom. A miserabilidade é positiva, desde que, sejamos miseráveis com o desperdício, com a petulância, com os níveis de qualidade e com o grau de detalhamento das estratégias. Deve-se entender a miséria como aquela moeda de um real “garimpada” na sarjeta e que possibilita ao seu dono, adquirir um bilhete de loteria e com ele ganhar milhões. E não só isso, a riqueza está em não se contentar em ver toneladas de soja que ficam nas estradas brasileiras, ou as toneladas de alimentos desperdiçadas nas CEASAS, Supermercados, Restaurantes e na nossa mesa, porque nosso espírito ainda não se tornou miserável em quesitos como esses. A riqueza da miséria esta nos exemplos acima, nos lixões mal aproveitados e na falta de logísticas reversas.
6. “A ordem não cria a vida”.
O “Bing Bang” foi originado do Caos, foram em momentos de Caos que houver os maiores progressos da humanidade e não é diferente com o mundo dos negócios. A ordem não fortalece as empresas, mercados previsíveis tornam-se estagnados e dão poucas oportunidades a novos conceitos, novos produtos ou novas empresas. A vida biológica, advém de turbilhões desordenados de espermatozoides em busca por um óvulo para fertilizar, e paralelamente ao levar-se para o dia-a-dia empresarial vem do caos de milhões de ideias, de informações e tentativas de acerto e erros que originam produtos, conceitos e mercados. A vida, as empresas e nós devemos estar em eterna transformação, devemos explodir caoticamente em “Big Bangs” para depois sim ordenar as coisas.
7. “O que nos salva é dar um passo e outro ainda”.
Já diz um velho adágio popular, “….uma grande caminhada começa com o primeiro passo…..” e assim é com tudo. Uma grande ideia, só será grande quando colocada em prática. Se hoje somos o que somos, é porque alguém ousou em algum momento. Ficar parado esperando a evolução chegar, não leva ninguém até ela, pois, para isso é necessário um primeiro “empurrão”, colocar em prática, correr atrás e ver o que dá. Thomas Edison tentou, não uma vez apenas , mas, milhares de vezes para obter êxito na invenção da lâmpada incandescente, que foi o primeiro passo para darmos muitos outros e hoje já estarmos com Lâmpadas de Led em nossas residências.
8. “Foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante”.
Na atual cultura do “Fast-Food” o tempo é precioso. Hoje temos conexões de internet cada vez mais rápidas, milhares de informações “bombardeando” nossa rotina diária, e parece que nunca temos tempo para nada. Tempo nós temos, o que não temos é a capacidade de gerenciar efetivamente o tempo. O tempo é vilão e herói , hoje vivemos o antagonismo temporal. Queremos mais tempo para cultivarmos nossas “rosas”, mas ao mesmo tempo buscamos soluções imediatas para nossos problemas, minimizando deslocamentos, filas, esperas e tudo o que demanda tempo. Produtos, operações e serviços são colocados antecipadamente no mercado sem uma prévia maturação, sem um teste ou sem ter certeza da aceitação, e assim é feito para ganhar tempo, ganhar escala…..etc……… E o que se ganha, prejuízos milionários, “micos mercadológicos” e em muitos casos a perda de credibilidade da marca.
9. “Quando a gente anda sempre em frente, não pode ir muito longe…”
Ao andar para frente sem olhar para os lados ou para trás os riscos para as empresas são enormes. Ao se olhar para trás, aprende-se com os erros, com as pedras de tropeço que são postas no caminho. A linha reta nem sempre é o caminho mais curto para o sucesso, pois entre um ponto e outro pode haver obstáculos que não podem ser ultrapassados, e é ai que se deve olhar para os lados. Ao se olhar somente para frente, corremos o risco de sermos como aqueles cavalos que usam “tapa” para não olhar ao lado. E com isso, se perdem oportunidades, novos rumos, e se precisar retornar a algum ponto não podemos, pois o “tapa” só nos dá uma única visão, a visão da frente.
10. “O que torna belo o deserto, é que ele esconde um poço nalgum lugar…”
O que torna belo o mercado é que no mercado sempre haverá novas oportunidades. Assim como nos desertos temos oásis, no mundo corporativo sempre haverá novas oportunidades. E é ai que as empresas vencedoras se destacam das outras, umas veem poços e outras não. Assim como as empresas, nós como profissionais também devemos ter essa percepção. Ao avistarmos nossos “poços”, sempre teremos uma visão otimista de nossos “desertos”.
Fonte:www.administradores.com.br
mariabonitaepoesia.com.br

O Pequeno Príncipe é o terceiro livro mais vendido do mundo

O Piloto Poeta

         Guiado pelas estrelas Antoine de Saint-Exupéry, viajou pelo mundo, decifrou o céu, criou laços entre as pessoas. Diminuindo as distâncias, fez o mundo parecer menor. Escrevendo, fez do nosso planeta, um mundo maior.

        O Essencial

         Antoine de Saint-Exupéry partiu para Nova York no fim de Dezembro de 1940, onde começou a desenhar, na frente aos editores, o recorrente menino de cabelos rebeldes. Quando lhe perguntavam, respondia: “Não é nada de mais, é apenas o garoto que existe no meu coração.”
         A primeira edição do Pequeno Príncipe apareceu em abril de 1943. Ele recebeu um dos primeiros exemplares alguns dias antes do seu embarque para a África do Norte. Atravessou o Atlântico a bordo de um navio com tropas americanas para lutar pela França ocupada pelo exército alemão. No dia 31 de Julho de 1944 não retornou da sua última missão.
         Toda a obra de Saint-Exupéry é centrada em valores fundamentais e universais. Elas fazem parte do nosso patrimônio. São os valores dos homens solidários, responsáveis e persistentes.

        A Toalete do Planeta

         Um pequeno príncipe nos convida a olhar com atenção o planeta que habitamos, cheio de presentes oferecidos pela natureza. Presentes aparentes ou escondidos, renováveis ou limitados. Mas todos eles revelam segredos quando os observamos com o olhar cristalino de uma criança.
Estrelas que sabem sorrir.
         Antoine de Saint-Exupéry resgatou a criança que existe em cada um de nós, com encanto, ética e beleza.

        O Livro

          O Pequeno Príncipe é o terceiro livro mais vendido do mundo. Possui cerca de 134 milhões de livros vendidos em todo mundo, 8 Milhões só no Brasil e foi traduzido em mais de 220 línguas e dialetos.
          É um dos personagens mais famosos e queridos de todos os tempos, que empolga crianças e adultos com ensinamentos inesquecíveis. Sua história deixa marcas pela forma simples de suas mensagens de otimismo, simplicidade e amor ao nosso planeta. 

         “As estrelas são todas iluminadas…
         Não será para que cada um possa um dia encontrar a sua?”

         Antoine de Saint-Exupéry
mariabonitaepoesia.com.br

Oficina no Centro de Comunicação e História

 

        

                                                                   
Literatura Infantil é tema de oficina no CCH
Compreendendo a Literatura Infantil” é o tema da oficina que o Centro de Comunicação e Histórias (CCH) realiza, no dia 26 de setembro, na sede da Associação Viva e Deixe Viver, em São Paulo (SP). O encontro acontece das 9h às 16h e terá como oficineiros Magaly Aparecida Romão e Paulo Cavalheiro.
“O objetivo desta oficina é propor uma reflexão sobre a literatura infantil no Brasil, nos contextos histórico e social, oferecendo subsídios para a melhor compreensão do público infantil e juvenil na atualidade”, antecipa Valdir Cimino, fundador e presidente do Viva. A metodologia a ser empregada engloba leitura compartilhada, dinâmicas, interpretação de textos, exposição oral, debates e apresentação de slides.
Oficineiros: Magaly Aparecida Romão e Paulo Cavalheiro
·         Magaly é Licenciada e Bacharel em Língua Portuguesa; Bacharel em Administração de Empresas com Pós- Graduação em Gestão Empresarial. Atualmente é contadora de histórias voluntária da Associação Viva e Deixe Viver.
·         Paulo é Pós-graduando em Formação de Docentes para o curso superior na UNIFAI – SP. Aperfeiçoamento Profissional em Capacitação Pedagógica de Instrutores – CPSI – SENAI. Voluntário da Associação Viva e Deixe Viver atuando no Hospital Cruz Azul.
Serviço
Oficina no Centro de Comunicação e História
Tema: Compreendendo a Literatura Infantil
Data: 26 de setembro de 2015
Horário: das 9h às 16h
Local: Rua Fortunato, 140 – próximo ao metrô Santa Cecília
Investimento: R$ 70,00 (30% de desconto para voluntários do Viva)
Sobre a Associação Viva e Deixe Viverwww.vivaedeixeviver.org.brFundada em 1997, pelo paulistano Valdir Cimino, a Associação Viva e Deixe Viver é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) que conta com o apoio de voluntários que se dedicam a contar histórias para crianças e adolescentes hospitalizados, visando transformar a internação hospitalar num momento mais alegre, agradável e terapêutico, além de contribuir para a humanização da saúde, causa da entidade. Hoje, além dos 1.245 fazedores e contadores de histórias voluntários, que visitam regularmente 92 hospitais em todo o Brasil, a Associação conta com o apoio das empresas Mahle Metal Leve, Pfizer, Mattos Filho Veiga Filho Marrey Jr. e Quiroga Advogados, Bradesco e Volvo, em São Paulo, Unimed Rio e Rede D’Or, no Rio de Janeiro, e Magazine Luiza, em Recife.
Contatos com a Imprensa: Oficina da Palavra: (11) 3289-2139 – Luciana Garbelini: (11) 99292-2131 e Denise Lima: (11) 99611-7381

mariabonitaepoesia.com.br